11 de ago de 2010

[Dicas de outras boas leituras] Índice de leitura no Brasil cresce mais de 150% em dez anos

Complementando o post publicado em 31/07/2010 - SIM, nós também lemos! -, pesquisa mostra que o brasileiro está lendo cada vez mais! Veja matéria, publicada no Último Segundo, na íntegra:

Índice de leitura no Brasil cresce mais de 150% em dez anos

Número, no entanto, ainda é considerado baixo por editores: 4,7 livros por ano, em média

Agência Brasil | 10/08/2010 17:24
A presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Sônia Machado Jardim, disse que o índice de leitura anual no Brasil é pequeno, mesmo com o número de livros consumidos anualmente por cada brasileiro tendo passado da média de 1,8, em 2000, para os atuais 4,7. “É baixo não só por estar muito aquém dos de países desenvolvidos ou até mesmo de alguns países em desenvolvimento, mas também porque inclui os livros didáticos, de leitura obrigatória.

A presidente fez a declaração durante a divulgação da Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da Universidade de São Paulo (USP), a pedido da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Snel, que constatou aumento de 13,5% de obras publicadas no ano passado em relação a 2008.
"Nosso grande desafio é a formação de leitores, mas o que a pesquisa demonstra é que podemos ter uma esperança já que 15% do mercado corresponde aos livros infanto-juvenis", declarou Sônia, que disse estar preocupada pelo fato de as compras governamentais de livros técnico-científicos – mais voltadas à formação profissional e ao público universitário – não acompanhar o aumento do interesse pelo setor.
Dos 28,7 milhões de exemplares de livros técnico-científicos vendidos em 2009 (18,3% a mais que em 2008), os governos adquiriram apenas 182,8 mil. O que, apesar de pouco, significou um aumento de 142% em relação às compras de 2008, quando foram adquiridos apenas 75,4 mil exemplares.

"A compra governamental nesta área é baixíssima e se dá, principalmente, através do próprio aluno universitário e das universidades, o que demonstra a necessidade do brasileiro se qualificar e que, hoje, somente o ensino médio não basta para garantir o ingresso no mercado de trabalho", concluiu Sônia.

Perguntada sobre o fato de o livro ainda ser um artigo pouco acessível para grande parte da população, Sônia defendeu que, com a produção em maior escala e as várias alternativas adotadas pelas editoras vem ajudando a popularizar o produto. "Até 2004 não havia os livros de bolso, por exemplo. Há as edições especiais, mais baratas, as vendas porta-à-porta. Há um novo mercado já que a classe C está ingressando no mercado e há preços para todo tamanho de bolso".

Um comentário :

  1. nossa e' tao empolgante saber disso! Pensar que estamos ficando mais espertos e pagando menos por isso hahah =D
    por isso eu adoro as lojas online se nao fossem elas eu estaria muito pobre... hehe

    parabens, ficou lindo =D

    ResponderExcluir