27 de jun de 2012

[Dica de outras boas leituras] O livro que não pode esperar


A The Digital Reader apresentou o conceito do "livro que não pode esperar" (ou The book that can't wait) é dar um prazo ao leitor para terminar sua leitura. 

O desafio propõe que o livro tenha duração de apenas dois meses depois que aberto submetido ao contato de duas substâncias bem comuns: ar e luz. Ou seja, quando aberto pela primeira vez. Ao final desse período, a tinta especial impressa começará a desaparecer e o livro "se autodestruirá". 

O objetivo dessa propota criada pela editora portenha Eterna Cadencia é dar chance a novos autores de serem lidos, por aumentar a rotatividade de leitura baseada no tempo. 

Se a invenção vai dar certo ou não, teremos de esperar para saber. Mas a mídia tem dado atenção e feed back bem positivo a respeito do assunto. 

E você, gostou da ideia? 

Dê uma olhadinha no vídeo abaixo para entender como funciona e comente com sua opinião!


12 comentários :

  1. Mas desaparecem as letras.... e o suporte (o livro) permanece em branco...é isso? Aí se joga fora, ou seja, vira lixo. O livro que vira lixo... qual é a vantagem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Matheus... Tb não tenho ñ entendo essa lógica! Por isso ainda não tenho opinião formada sobre isso. Muito confuso... rs

      Excluir
  2. Ah, não! Mais do que gostar de ler, eu gosto dos livros. De vê-los bonitinhos na minha estante, de mostrar pros meus amigos, emprestar, pegar pra ler um trechinho tempos depois. Se eu não puder ter esse prazer, compro um ebook que é mais econômico. Sem contar que o tempo de leitura é algo muito relativo. E se eu começar a ler e perceber que não é o melhor momento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom ponto, Cíntia! E se eu comprar o livro numa super promoção, mas não puder ler até o fim naquele momento?
      Tudo isso tem que ser avaliado...

      Excluir
  3. Concordo com a Cíntia Ribeiro. E a diversão de emprestar e pegar um livro emprestado? De depois de anos reler aquele trechinho grifado? A graça o livro impresso é exatamente tê-lo por anos, de que adianta tê-lo por apenas 2 meses? Sem contar que isso não incentiva a leitura, muito pelo contrário, desmotiva porque se você não tiver certeza de que vai conseguir ler nesse período acaba decidindo por nem começar. =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é! Vc já leu aqui no blog q eu fiz uma planilha com a relação de todos os livros e para ter o controle dos empréstimos que faço? Eu ADORO emprestar livros!!!

      Excluir
  4. Ideia maluca e sem sentido. Ao menos hoje é. Não sabemos o quanto essa maluquice poderá evoluir nas mentes dos aproveitadores, que podem tirar algum proveito.
    Se, apenas se, tal ideia fosse para contribuir para que mais e mais pessoas tivessem acesso aos livros, talvez haja algum proveito. Caso contrário, qual é a graça disso?
    Imagino que, um livro onde suas letras 'evaporem' após certo tempo, terá no máximo a utilidade de podermos escrever nossa própria história! O que mais além disso?
    Tomara tal coisa não invada os livros digitais....rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... a ideia ainda está nebulosa. Não dá para entender o real sentido disso!! Mas acho que a moda não pega não... rs

      Excluir
  5. Pra mim isso não faz o MENOR sentido! haha

    ResponderExcluir
  6. Que tal ler um livro e ganhar uma agenda de rascunho? Oras, quantos livros realmente são relidos? eu sei quais eu releio com certa frequência, logo, pode ser uma ideia de certa forma interessante, pensando na lógica da atual sociedade, na qual o que foi "postado" ontem não possui mais valor algum hoje visto que há outro "post" mais interessante...é estranho aceitarmos um livro dessa forma, mas ao pensar no estado da arte do Livro, e vermos que ele pode ser moderno também e acompanhar a mentalidade do leitor moderno. Não que isso faça algum sentido ou não para o mundo prático, mas para mim, a ideia de prazo, tempo, locus, traz um pouco do pensamento moderno em forma de arte em um livro, mas não pela foto da arte ou resumo da arte, mas sim a arte em si, toda uma ideia de prazo de validade...enfim, uma certa viagem mas que faz algum sentido para mim....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente uma ideia estranha, Samyr!
      Não consegui entender essa lógica ainda... mas enfim, temos q ficar ligados em todas as possibilidades do mercado, ne?

      Excluir