10 de mai de 2011

Tornando visível o invisível

Em março, fui convidada para cobrir o concurso promovido pela Getty Images, sobre a Melhor Capa de Livro de 2010 e, conforme prometido na ocasião, finalmente montei um post sobre este elemento fundamental na produção de um livro: a CAPA.

Melhor Capa de Livro 2010 - Escolha do Júri Popular
Muitas pessoas compram produtos pela aparência e os livros não são exceção à regra. Mas, mais do que um objetivo comercial, a capa de um livro é uma obra de arte, que foi elaborada e pensada numa parceria entre editor e designer, com muito trabalho e muito envolvimento de ambos os profissionais. 

Para quem acha que fazer uma capa é como escolher uma roupa, está completamente enganado! Em primeiro lugar, o designer deve estar em sintonia com o editor, com a assistente, com a editora, com o autor e com o tema. Uma vez que essas relações estão seguramente firmadas, é hora de partir para criação, sempre baseada em uma boa pauta (que deve ser orientada pelo editor). E criação é trabalho do designer, cada um com seu estilo, com seu traço, com sua marca. Há quem procure um estilo mais moderno e arrojado, há os vanguardistas, há os que se identifiquem mais com o estilo vintage e retrô. Mas, no fim das contas, o que importa mesmo é o resultado aprovado pelo editor, pois significa que o designer conseguiu atingir seu objetivo: dar uma cara ao livro. 

A capa de um livro é o aperitivo essencial e que faz toda a diferença para a refeição completa. Afinal, eu sinto muito em afirmar isso, mas ninguém sai comprando livros feios por aí. Por isso mesmo, os cuidados nas etapas de criação são fundamentais para o sucesso de um livro no mercado.E o processo criativo não tem regras e nem sistemas. Cada profissional é dono de sua própria arte, desde que esteja trabalhando em parceria com todos os outros envolvidos no livro em questão. O desafio é grande: como explicar um livro inteiro em apenas 14 x 21 cm? Mas uma dica bacana é não se apaixonar pela primeira ideia: forcem-se a serem autocríticos e, acima de tudo, a respeitar as opiniões dos outros profissionais. Acreditem: eles entendem do negócio!

Uma dica bacana aos editores, autores e designers é em relação a NÃO colcoar os personagens nas capas. Inclusive, durante o evento de premiação citado acima, VICTOR BURTON, um dos jurados convidados e capista premiado, contou que essa dica ele aprendeu com o LUIZ SCHWARCZ, editor e proprietário da Companhia das Letras, uma das mais importantes editoras do país. Afinal, se você der uma cara aos protagonistas logo na capa, como é que a literatura vai ajudar o leitor a explorar sua imaginação. 

Um caso clássico desse erro, são os livros que ganharam adaptação para o cinema e, depois de fazerem sucesso nas telinhas, ganham novas versões nas capas, com os atores, principalmente quando são best-sellers ("Crepúsculo" é um exemplo clássico. E por mais que o Robert Pattison seja fofo, ele definitivamente não era o Edward dos meus sonhos). Na minha opinião, fazer isso é quebrar o encanto daquilo que há de mais mágico em ler: construir sua própria imagem da história, só para você, na sua cabeça...Explorar o imaginário é a parte mais encantadora de ler, então, não acho bacana acabar com isso na capa de um livro. (É claro que essa dica não vale para biografias, que já tem personagens definidos e que não precisam ser construídos). 

Capa original de "Crepúsculo", antes do filme.
Capa de "Crepúsculo" depois do lançamento do filme, com os atores.






Uma boa capa de de livro não precisa necessariamente ter um apelo imagético, mas deve sempre ter um bom trabalho tipográfico. Um estudo de cores é também outra dica válida. E atenção: letras grandes não significam maior venda de exemplares. Em muitos casos, os leitores se sentem agredidos inconscientemente. O estudo das capas deve ser bem elaborado e pensado em todos os detalhes. Reforço, mais uma vez, a importância da integração do designer com o editor. Afinal, a literatura é um conjunto de todas essas expressçoes artísticas e não paenas do texto.

Sabemos que o objetivo de uma capa de livro é atrair o leitor para a compra e ajudar o trabalho do livreiro e do editor e, por isso, as capas podem concorrer com os conteúdos dos livros. Mas uma boa capa pode ir além e trazer ao leitor (aquele que ainda não teve contato com o texto interno do livro) o sentimento real do que é o livro, mas sem estragar o prazer da leitura em si.

"CAPA É TORNAR VISÍVEL O INVISÍVEL" 
(Victor Burton)




PS: Se você gosta de capas de livros, uma boa dica de programa é visitar a exposição do estúdio Retina 78, que está rolando na Caza (Rua do Rezende, 52 – Lapa. Rio de Janeiro/RJ). A exposição Embalando Palavras, uma retrospectiva dos últimos 10 anos do escritório de design Retina 78. A mostra reunirá mais de 50 capas de livros idealizadas pelo escritório, levando à público trabalhos de nomes como Rubem Fonseca, Nabokov, Ruy Castro, Chico Buarque, Haruki Murakami, Aldir Blanc, João Ubaldo Ribeiro e grande parte dos novos escritores brasileiros, como João Paulo Cuenca, Daniel Galera, Joca Terron, Cecilia Giannetti, Ana Paula Maia, entre tantos outros. A mostra poderá ser visitada de segunda a sexta-feira, das 14h às 20h com entrada franca.

4 comentários :

  1. Talita, parabéns pelo post. Gostei muito das informações e reflexões. Vou até postar um link no meu twitter comentando. E essa exposição, então? Pena que é no Rio. Quem sabe não venha para São Paulo. Adoraria. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Não posso concordar mais. Principalmente o que disse sobre as capas antes e depois de suas adaptações cinematográficas. Quando li Crepúsculo,criei meus próprios personagens em minha mente. Depois do filme tenho sentido grande dificuldade em reler os livros,por causa dessa imagem do Robert Pattinson e da Kristin Stuwart que que me atrapalham a encontrar os meus Edward e Bella.

    Já li muitos livros em meus 20 anos de vida e aprendi que a capa não é tudo,mas assim como a aparência física,é o primeiro contato que temos com a obra. O visual. E só por isso já podemos escolher ou rejeitar um livro.

    Adorei o artigo. Tenho uma coluna em meu blog onde escrevo artigos sobre temas polêmicos da literatura se você permitir posso debater isso com meus seguidores em uma edição especial. Achei o tema interessante.

    Estou seguindo o blog,

    Marina Moura
    Minha vida por um Livro

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, meninas!!
    Agradeço a ajuda na divulgação! E Marina, fique à vontade para debater o tema com seus seguidores! Temos mais que falar a respeito mesmo!! :)

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo post Talita, ficou ótimo e concordo plenamente com o seu ponto de vista.
    Conheço muitas pessoas que compram o livro pela capa, muitas vezes sem se importar com a sinopse ou o tema do livro.
    Infelizmente, o visual conta muito. E digo infelizmente porque alguns leitores fazem cara feia com a capa e descartam a história antes mesmo de saber do que se trata a sinopse.
    Eu, como também sou escritora, estou sofrendo para encontrar uma capa que me agrade e que ao mesmo tempo desperte interesse. rsrsrs

    Adoro seu blog! É sempre tão cultural e útil. =)

    Beijos,
    Viciados Pela Leitura

    ResponderExcluir