29 de ago de 2011

[Dica de outras boas leituras] O custo de levar livros para todo o país

O blog "O X do problema" trouxe o post O custo de levar livros para todo o país, de Felipe Lindoso, jornalista, tradutor, editor e consultor de políticas públicas para o livro e leitura.

Eu recomendo muito a leitura, tanto para quem trabalha no mercado editorial, quanto para quem ama os livros e não consegue entender, muitas vezes, o preço final do livro no Brasil, que é sempre tão elevado e quase desanimador.

O processo comercial de livros no Brasil é ainda baseado na venda sob consignação e devolução de produtos, mas a tendência cada vez maior é que isso se modifique num prazo não muito distante. Mas este será um outro post, rs!

Vejam abaixo o texto do Felipe e entendam um pouquinho porque o a logística encarece tanto nossos amados livros!

---




O custo de levar livros para todo o país

Certa vez estive em Sergipe estudando a possibilidade de montar ali um programa de revitalização de bibliotecas públicas. Em um carro da Secretaria da Cultura, percorremos, em um dia, praticamente o Estado inteiro, de norte a sul. Evidentemente não paramos em todos os municípios, mas soubemos que do município mais distante até Aracaju demorava-se no máximo umas duas ou três horas de ônibus.
Depois comentei com a diretora da Biblioteca do Estado a sorte que tinham de viver em um Estado pequeno, o quanto isso facilitava muitas coisas.

Esse pensamento me ocorreu em uma das discussões sobre o Programa do Livro Popular, atualmente em preparação na Biblioteca Nacional. Em reunião com editores na sede do SNEL, um dos pontos levantados referia-se à logística. Os custos de levar livros até os lugares mais afastados do país e as dificuldades que isso implica são realmente assustadores. O FNDE conhece muito bem o problema, na administração do programa do livro didático,e essa é uma das razões pelas quais acredito que mais cedo ou mais tarde irá adotar versões digitais dos livros escolares nesse programa. O mercado editorial de outros países não enfrenta esse tipo de problemas: os pedidos entregues nas editoras e distribuidoras alemãs até o final da tarde são despachados nos trens noturnos e estão nas livrarias de qualquer cidade do país no amanhecer do dia seguinte.

Mas os volumes envolvidos em livros para bibliotecas e para venda a preços populares aí por esse Brasilzão nem se comparam com os do MEC e constituem realmente um problema. Para vocês terem uma ideia, uma encomenda PAC dos correios com até dois quilos e dimensões pequenas leva vinte e quatro dias úteis para viajar de S. Paulo a Manicoré, no Amazonas (município onde meu pai nasceu), e custa R$ 23,50.

Com essas distâncias de um país continental, os Correios precisam assumir sua parcela de responsabilidade social nos programas de livro e leitura.



Nenhum comentário :

Postar um comentário