29 de jul de 2011

[Yale] O Brasil está na moda


Não sei se já comentei, mas o Yale Publishing Course 2011 tem 64 alunos de diversos países, sendo 7 do Brasil, o que representa mais de 10% do total. Nós, brasileiros, só perdemos em quantidade para Nova York, que fica a apenas duas horas de distância daqui e concentra os escritórios das maiores e mais importantes editoras dos Estados Unidos.

Se você está pensando “UAU”, seja bem-vindo ao clube! A reação é exatamente essa: surpresa! O mercado editorial brasileiro não está mais aquecido: está FERVENDO! E todo mundo está interessado em fazer negócios com a gente.

Os não-brasileiros aqui presentes já distribuíram cartões, pegaram nosso contato, e garantiram uma visita muito em breve. E antes que as piadinhas sobre gringos interessados no Brasil comecem, essas visitas têm fins exclusivamente comerciais. Pois é: o Brasil está na moda!

Prova disso é que ontem, durante a palestra PUBLISHING IN THE AGE OF GLOBALIZATION (Editando na era da globalização), ministrada por ED NAWOTKA (que tinha acabado de chegar de São Paulo, diretamente do 2o. Congresso do Livro Digital), falou-se do mercado editorial no mundo inteiro e, para surpresa brasileira, aparecemos no telão como exemplo de cases de sucesso editorial, comercial e de marketing. Isso mesmo!

Primeiro, Ed Falou sobre o sucesso mundial dos livros do Paulo Coelho e, em seguida, o livro Ágape, best-seller do Padre Marcelo Rossi (Editora Globo), que lidera há meses as listas de mais vendidos, estava no telão.







Não parou por aí: Deixe os homens aos seus pés, de Marie Forleo (Universo dos Livros) foi altamente elogiado pela campanha de marketing vinculada à vencedora do BBB11, Maria Melilo.







Por fim, A batalha do Apocalipse, Eduardo Spohr (Verus), apareceu como sucesso de literatura fantástica nacional.






Além disso, Nawotka mostrou em sua apresentação dados bastante significativos da indústria literária brasileira: 


Não posso negar que senti muito orgulho em ser brasileira, não só porque o livro Deixe os homens aos seus pés, citado acima, é sucesso coletivo da editora em que trabalho, e que dediquei grande esforço na divulgação e marketing; mas, principalmente, porque finalmente estamos sendo reconhecidos mundialmente no mercado editorial. E isso não é pouca coisa!

E apesar de ainda sermos considerados atrasados (estamos 5 anos atrás dos EUA, por exemplo), estamos correndo atrás do prejuízo e da liderança (prova disso é que a pessoa mais nova do curso sou eu, uma brasileira!) de um mercado que conhecemos muito bem.

Essa a nossa hora de fazer o mercado editorial brasileiro acontecer.  Por isso, mãos à obra!

5 comentários :

  1. Sensacional, como sempre! Saudades (e invejinha, rs)

    ResponderExcluir
  2. Marília Chaves29/07/2011 12:01

    Hahaha, morri de rir com "distribution issue" no telão. Seria mais verossímil "distribution disaster".

    ResponderExcluir
  3. Má, eu e a outra brasileira aqui pensamos a MESMA coisa: olha o eufemismo gentil q o cara usou ne?? hahahaha!

    ResponderExcluir
  4. O único problema propriamente é a educação. Isto é o que pode continuar nos atrasando. Ainda que o crescimento da renda das camadas baixas seja uma oportunidade brutal de melhoria no mercado editorial, o percentual que vai para livros(lazer e/ou educação)é bem menor do que poderia ser.

    ResponderExcluir
  5. Sim, concordo com vc Marco. Falamos muito disso neste curso e ficou muito claro que é papel do editor e do livreiro criar projetos e incentivos para gerar leitores e fazer das crianças cada vez mais educadas a lerem. Não só pq queremos vender livros, mas pq, caso contrário, os livros aí sim vão acabar!

    ResponderExcluir